Diante de um contexto em que a ansiedade, estresse, insônia e depressão fazem parte da rotina de grande parte da sociedade, a busca por qualidade de vida, equilíbrio e bem estar tem sido uma grande prioridade para muitos. As terapias holísticas surgem então como uma alternativa de tratamento interessante, uma vez que conseguem compreender o sujeito em todas as suas dimensões: física, mental, espiritual e emocional.

Com isso, é capaz de buscar as verdadeiras causas das enfermidades, não se satisfazendo em apenas tratar os sintomas e, assim, promover a cura efetiva.

Existem diversas técnicas terapêuticas que têm como princípio o holismo (do grego holos, que significa inteiro/todo), ou seja, enxerga o ser humano de forma integral e não apenas como a soma de partes distintas. Dentre as mais conhecidas estão a acupuntura, reiki, massoterapia, yoga, aromaterapia e cromoterapia.

A importância da autorresponsabilidade

Mesmo com todas as possíveis abordagens, um elemento fundamental para o sucesso de qualquer terapia holística é a participação e posicionamento ativo de quem procura o tratamento.

Considerando-se que a cura vem de dentro, a busca pelo equilíbrio físico, mental e espiritual deve vir, primeiramente, do eu.

O protagonismo nesse momento se faz necessário, pois o sujeito deve se enxergar como responsável pela situação em que se encontra e pela transformação que busca para sua própria vida, para que consiga passar pelas dores e dificuldades com mais sabedoria.

Por isso, o foco em autoconhecimento é etapa importante e indispensável em todo recurso terapêutico.

O despertar da consciência do indivíduo sobre tudo o que é e o que quer ser é determinante para que ele consiga identificar, em si, os meios para alcançar as realizações desejadas e enfrentar os bloqueios de forma mais leve e harmoniosa.

Quais problemas posso tratar com terapia holística?

As diversas técnicas holísticas existentes podem contribuir com a cura e/ou melhoria de diversos desequilíbrios, sejam eles de natureza física, mental, espiritual ou emocional.

Alguns deles são a ansiedade, síndrome do pânico, depressão, bipolaridade, dores em geral – de cabeça, nas costas, estômago, etc -, distúrbios alimentares, pessimismo, insegurança, falta de consciência corporal, apatia, entre muitos outros que, muitas vezes, não são considerados como doenças, mas podem interferir negativamente no dia-a-dia e reduzir a disposição e a qualidade de vida.

Vale reforçar que as terapias holísticas complementam a medicina tradicional e uma não elimina a necessidade da outra. Os terapeutas holísticos capacitados têm o cuidado de evitar qualquer termo ou abordagem que sejam específicos da medicina tradicional, de forma a deixar clara a diferença entre as duas intervenções.

Quer saber mais sobre as terapias holísticas? Não deixe de acompanhar a Holos nas redes sociais e o nosso blog.