Todo mundo conhece aquela saga: tem um problema (físico, psicológico ou emocional) que as vias tradicionais não dão conta de resolver. Isso é a versão resumida. Na prática, o que ocorre é uma busca intensa por indicações de profissionais da área, no seu círculo de relacionamentos (que mais parece uma consulta pública). Daí, é rezar \ fazer promessa e pedir “Pelo amor de Deus “ para a secretária conseguir um horário no próximo mês pelo menos.

Enfim, quando chega a tão esperada consulta, o profissional te olha com uma cara bem enigmática solta uns 2 ou 3 termos técnicos que você nunca ouviu falar e diz que seu problema é um nome bem esquisito. Com sorte, ele vai te pedir uma bateria de exames ou te receitar pelo menos 1 remédio que vai minimizar os sintomas. Pode ser também que ele te indique uma cirurgia ou outra intervenção para sanar um problema que, pelo menos, do seu ponto de vista, não acredita ser necessário.

A “desistência” dos métodos tradicionais

O que pega é que, pode ser que seu problema não se resolva com a ajuda desse profissional. Talvez, esse profissional tenha avaliado apenas um aspecto desse seu problema, sem observar outros fatores que podem contribuir para entender o que se passa com você. Ou ainda, ele observou, atentamente, e de forma integral e holística, não somente os sintomas, mas também a causa do que se passa com você.

No entanto, ainda assim, aquele tratamento mainstream não serviu para você.  Faltou o tratamento se adequar a você, faltou a anamnese captar algum aspecto dos seus pilares body-mind & soul, faltou pessoalidade na relação com o profissional e você, meu amigo, continua na chuva (ácida) sem guarda-chuva.

Pode ser que trilhar esse caminho te fez se sentir, sozinho, incompreendido, uma ilha. No meu caso, além de sentir isso tudo, comecei a procurar respostas em outros lugares. Era isso ou eu desistia de mim. Na verdade, eu desisti em alguns momentos, mas não abandonei meu barco e recomecei mais uma vez , de novo e novamente.

O que pode ajudar alguém que precisa desesperadamente de ajuda e não sabe aonde procurar? Você mesmo! Você e o seu desejo profundo de se abraçar e de persistir na busca da sua auto-recuperação. Claro que figuras amigas vão aparecer para caminhar com você, por parte desse percurso. Alguns vão até mesmo te abraçar e te ajudar a carregar sua mochila.

Contudo, não se engane! É preciso que você conduza o seu próprio caminho. Ninguém mais, além de você mesmo, sabe aonde você realmente deve chegar.

A importância da mão amiga e holística

Essas mãos amigas, co-pilotas de percursos, nos ajudam, pois, conseguem ver mais do que um recorte nosso. Elas nos olham de maneira íntegra/holística.  Percebem facetas do diamante que somos, que podem ser desconhecidas para outros profissionais e até para nós mesmos. Com a ajuda desses co-pilotos, entender o mecanismo da nossa engrenagem pessoal, fica mais fácil.

Partes dos nossos mapas internos são traduzidos e algumas fichas vão caindo aqui e ali. Esses co-pilotos tratam mais do que a crise de ansiedade, que te aflinge todo Natal ou aquela crise de sinusite, que te deixa de cama. Eles te ajudam a entender o porquê dessa ansiedade chegar justo na época de Natal ou por que você sofre com crises crônicas de sinusite (me identifico!). Eles vão a fundo com você nessa situação e permanecem ao seu lado para mapear a raiz do seu problema e depois te acompanham no processo de recuperação da sua integridade pessoal.

Isso, para mim, é o que distingue profissionais holísticos dos demais.

Primeiro, eles realmente se importam com você. Eles focam não na sua doença, não no sintoma que você esta apresentando ou não apenas no escopo da sua especialidade clínica. Eles FOCAM EM VOCÊ. Focam em você, de maneira integral. Focam naquilo que você está relatando e te levou até eles, mas também em outros aspectos, “seu estado clínico geral”, emocional e físico que pode influenciar naquele problema que você deseja resolver.

Isso, meu amigo, Mastercard nenhum compra. Encontrar um profissional desses é um presente do Universo e traz um alívio para o nosso corpo, mente e alma que é difícil de explicar. Além de resolver o problema que originou toda essa saga, ainda vem um sentimento de ser compreendido, de ser visto e a sensação de saber que tem alguém ali do outro lado que realmente se importa com você.

Hoje em dia, isso é uma das coisas que eu busco para mim: poder contar com profissionais holísticos quando eu tenho um problema físico (corpo), psicológico (mente) ou emocional (alma). Corpo, Mente & Alma caminham juntos. O desequilíbrio em um desses aspectos, muitas vezes, altera os outros também.

Profissionais holísticos caminham comigo não apenas para solucionar problemas latentes, mas também são co-pilotos da minha jornada de magnetização rumo ao Ser que eu sei que Eu Sou, mas que ainda não fiz o download completo. Afinal, não só de pão vive o homem (muito menos a mulher né galera. Vamos combinar! Se fosse chocolate pelo menos….), mas o circo também é necessário.

Depois de um tempo o circo, deixa de ser interessante. A roda de samsara é embriagante, mas altos e baixos sem chegar a lugar nenhum é bem estressante. Ao infinito e além, em boa companhia, com um punhado de sonhos na mochila vou estar por aí.

One thought on “O que me levou para o universo holístico

  1. Pingback: Chakras e o poder das energias internas – Holos – É chegada a hora de ser

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *